Já desconfiava mas agora a HBR arrasa com estas ferramentas:

  • Fornecem pouco enquadramento ao objetivo (desfocando o propósito e a estratégia)
  • São mais fortes em tags e buzzwords que em informação
  • São a metodologia racional/experimental dos anos 70, simplificada pelo senso comum

E, portanto, pouco eficazes na criação de insights poderosos para o desenvolvimento dos negócios. Pior! o que HBR vem dizer é  mantém o Status Quo! São innovation killer!

Design Thinking Is Fundamentally Conservative and Preserves the Status Quo

What?!?!?!

  1. O Design Thinking assenta no desenho, no fluxo, e não no objetivo, o que logo à partida reduz a abrangência e a distância do caminho que se poderia correr em termos de #Inovação porque espartilha o âmbito em que a inovação poderia acontecer.
  2. Seguir um fluxo definido à partida reduz a elasticidade para integrar novas variáveis, ou variáveis com grandes níveis de incerteza, como são, por exemplo as #Tendências, a meu ver o maior filão da inovação – onde a magia acontece!
  3. Sendo uma simplificação do método científico stage-gate, com soluções que escalam para o degrau seguinte: podem não ser nem úteis, nem relevantes nem sequer boas soluções, mas são necessárias para progredir no modelo, por isso mesmo tendem a ser encontradas por decisão dos decisores habituais, logo perpetuando o status quo político, económico e social.
  4. O Facilitador do modelo é o instrumento através do qual todo o conhecimento e soluções têm que passar: tem de transformar ideias, insights e informações às vezes confusas em soluções elegantes que permitam continuar o fluxo do modelo. Com o foco no design do modelo e não na resolução de problemas ou em encontrar #EstadosDeNecessidade de clientes, o facilitador paira acima de erros, más soluções, guerras e políticas internas com o objetivo primário de percorrer o fluxo previsto: acaba por se sujeitar ao status quo para avançar e é aqui que se coloca na posição de #InnovationKiller

Vale a pena ler todo o artigo e o exemplo apresentado na procura de soluções inovadoras para antecipar a inundação de Manhatton numa catástrofe ou pela subida do nível das águas dos oceanos.

#MagsFinalTouch: Estes modelos desenhados para realidades como a americana, muito diferentes da nossa, são dificilmente adaptáveis à nossa realidade. A minha experiência em Inovação levou-me a desenvolver um modelo de #InovaçãoÁgil, assente na realidade portuguesa e à medida da #EssênciaDePortugal