A Moda Lisboa propôs-se este ano reconhecer sua a responsabilidade e a urgência em alterar práticas prejudiciais ao ambiente. Esta é um Indústria que vive de tendências; mas também as marca! Daqui a decisão de sensibilizar parceiros, equipas, fornecedores e todo o público presente na Lisboa Fashion Week a adotar práticas de consumo mais sustentáveis.

Parceiros como a Lexus, e as suas versões elétricas, ou a Renova que abandonou a sua presença mais fashion com sua gama colorida, para um statement #PlasticIsNotFantastic com a gama de embalagens em Papel, alinharam no reforço desta #Tendência.

Foto Da ativação de Marca Renova, Instagram da Moda Lisboa @lisboafashionweek

Foto Da ativação de Marca Renova, Instagram da Moda Lisboa @lisboafashionweek

Durante os quatro dias de evento a ModaLisboa Insight apresentou ainda diversas iniciativas à volta do tema  da #Sustentabilidade tais como: a realização de masterclasses sobre #ModaCircular e Sustentabilidade e Moda. A diminuição do uso de plástico e consumíveis descartáveis; a reciclagem de todos os resíduos materiais e orgânicos e a promoção de fibras sustentáveis nos uniformes dos voluntários, foram outras iniciativas levadas à prática.

Esta nova visão de um evento mais sustentável foi alargado a todas as áreas envolvidas na produção da ModaLisboa e foram introduzidas versões mais sustentáveis e menos poluentes, tendo sido também o público incentivado a contribuir para uma fashion week mais verde.

A mensagem foi clara: a Moda Lisboa está a promover e a sensibilizar parceiros, equipas, fornecedores e todo o público presente na Lisboa Fashion Week a adotar práticas de consumo mais sustentáveis.

Foi mesmo editado um guia de declaração de intenções e boas práticas

Ainda nesta linha da sustentabilidade e ciente de um dos maiores atentados ambientais das insdústrias texteis – o desperdício o CheckPoint contou com um Atelier ao vivo – a “Bolha”, onde diversos intervenientes oriundos de múltiplas disciplinas foram convidados a costumizar uma peça de roupa. A #EconomiaColaborativa  é outra tendência que mais cedo ou mais tarde virá para ficar e”A Avó veio trabalhar“, bordou, decorou e reinventou, num atelier feito à sua medida, a Bolha,  peças de roupa, através do reaproveitamento de desperdício têxtil da Calvelex e da Fabrics4Fashion. A Avó para além de cool também é ecológica! 🙂 E este projeto que reúne mulheres acima dos 65 anos bordou, pintou, decorou peças numa lógica de partilha de vivências e conhecimentos de pessoas de territórios e abordagens plásticas multidisciplinares.

 

#MagsFinalTouch – Lembram-se do cãozinho da Scottex? Foi o meu primeiro anúncio da minha carreira de Marketing, por isso conheço bem o atentado ambiental que é a Indústria do “papel tissue”. Depois de ter saído da Scottex, voltei, obviamente, a ser consumidora da Renova e há já alguns meses, poucos, pois o lançamento é recente, que compro estas novas embalagens de papel, evitando assim o plástico. Não adiro totalmente ao papel higiénico reciclado, porque do que conheço da indústria não fica claramente provado que o processo de reciclagem para uso em papel higiénico não tenha um impacto ambiental pior que plantar ordenadamente florestas…

Quanto à indústria têxtil, o desperdício tanto de fio, como de tecido é um dos grandes paradigmas que têm que ser revistos. O outro é a maneira como “consumimos” a moda do “compra barato, usa um ano e deita fora”. O planeta não aguenta tanto lixo… nem sequer tanta reciclagem de tecidos – os processos de transformação podem acalmar consciências de consumidores, mas não as dos que conhecem os resíduos terríveis resultantes dos processos de bleaching e outros…